segunda-feira, 2 de junho de 2014

Assisti - Malévola 3D #comspoilers

Posted by   on

Em uma adaptação do clássico "A Bela Adormecida", Malévola mostra os acontecimentos por um outro ponto de vista (nesse caso, o da "bruxa malvada"), assim como em "Branca de Neve e o Caçador (que fugia do padrão ao recriar a história)". Porém, diferente do último, percebi no filme um contexto mais profundo, como a corrigir alguns dos paradigmas dos contos de fadas. 
Um ponto interessante, foi a motivação de Malévola para sua vingança (que no conto "como conhecemos" acaba parecendo algo meio aleatório): conflitos entre raças (as fadas e os humanos) e uma guerra por território são partes da questão, e não apenas o sentimento mal resolvido que a "bruxa-fada" possui por seu algoz. Momentos onde a história surge "literalmente" (como quando Malévola lança sua maldição à Aurora) foram executados com maestria, em parte devido ao carisma e talento de Angelina Jolie (auxiliada é claro, pela maquiagem e efeitos especiais perfeitos). 
O filme é centrado em Malévola, que demonstra ser quase uma X-Man quando luta, mas tem seus momentos de doçura de uma princesa Disney: A personagem principal "evolui" em seus sentimentos, graças a afeição que desenvolve pela Princesa Aurora (Elle Fanning). Malévola, apesar de seu ódio inicial, a acompanha como um tipo de espírito protetor, auxiliada por seu servo, e acaba sendo mais presente em sua criação do que seus pais e as fadas a que a princesa foi confiada... o trio de fadas (Leslie Manville / Imelda Staunton / Juno Temple), aliás, tiveram execelente interpretação e efeitos, porém no quesito personalidade se tornaram um tanto insuportáveis (e quase vilãs, pela negligência com que tratavam a menina). Por fim, o "amor verdadeiro" vence, e a vilã tem sua redenção se tornando heroína, conquistando não só o coração da princesinha, mas também a paz em seu reino. 
A principal "lição moral" da história na minha opinião, vem do fato de que, ninguém é totalmente herói ou vilão no filme. Todos desenvolveram aspectos positivos e negativos na personalidade: o ganancioso Rei (Sharlto Copley) demonstrou piedade por Malévola, deixando-a viva (apesar de tudo que se seguiu depois); a fadas eram fracas demais para cuidar da criança, mas tentaram fazer o seu melhor; Malévola se deixou levar pelo ódio por tudo que sofreu, mas conseguiu reconstruir sua personalidade. 
Um ponto estranho é a participação masculina na trama: o servo de Malévola ficou o tempo todo em segundo plano (apesar de parecer subliminarmente que ficaram juntos no final), mesmo sendo fundamental para o êxito de sua missão. O rei apesar de parecer amá-la, passou a maior parte do tempo odiando-a (e foi tão cruel e insensível ao ponto de exilar a própria filha, negligenciar a esposa e destruir o reino). O Príncipe não foi tão decisivo para a salvação de Aurora, mesmo assim teve um papel melhor do que "na história como conhecíamos". (afinal, que diacho de príncipe era esse que saía do nada, beijava, e já era um amor verdadeiro??) 
Outros pontos positivos: os atores mirins, excelente fotografia e efeitos. Ponto negativo: o 3D, não foi lá essas coisas. 
Na minha opinião, Malévola é um filme sobre a conversão de uma pessoa, e como o amor pode se reconstruir em um coração desiludido. Serviu como um upgrade à fabula, mas ainda deixa alguns pontos absurdos. Afinal, se as asas voltariam à dona, por que toda aquela guerra?? Bastaria o rei devolvê-las a fada-bruxa após conseguir seu intento!! E, se ele queria tanto ser rei, por que não casou com ela, que era uma espécie de rainha das fadas?? Enfim... essa é minha resenha. E quem quiser conte outra...   

Bônus: uma linda arte de Roger da Silva Goulart, desenhista do Rio Grande do Sul. 

Nenhum comentário:
Escreva comentários

O que você tem a dizer sobre isso??

Estamos no Twitter, é só seguir - http://twitter.com
Receba nossa Newsletter